Ayrton Cultura

Obrigado, Ayrton

Olá, pessoal. Hoje, dia 21 de março é uma data muito especial para o automobilismo brasileiro. Acho que mais do que isso, para o orgulho de ser Brasileiro. Hoje, Ayrton Senna da Silva completaria 52 anos. Muitos de nós tivemos a oportunidade de acordar cedo aos domingos para torcer e se maravilhar com o talento de Senna. Mas, muitos dos mais jovens eram muito novos para se lembrar. Afinal, quem nasceu em 1994, ano da morte de Senna, já está tirando a carteira de motorista!

Para os mais novos, vamos começar com fatos e números. Ayrton começou na Fórmula 1 em 1984, na equipe Toleman, hoje extinta. Naquele ano, seu melhor resultado foi o segundo lugar no grande prêmio de Mônaco. No ano seguinte, Senna foi para a Lotus, onde conquistou sua primeira vitória. Em 1988, Senna passou a correr pela McLaren, e conquistou seu primeiro campeonato. Ganhou também as temporadas de 1990 e 1991. Em 1994, Senna foi para a Williams, sua equipe na época do trágico acidente na curva Tamburello, do autódromo de Ímola. Ayrton foi tri campeão mundial de Fórmula 1, ganhou 41 corridas, subiu ao pódio 80 vezes e conquistou 65 pole positions ao longo de 10 anos de Fórmula 1.

Os números são mais modestos que os da carreira de Michael Schumacher, por exemplo. Mas não foram números que fizeram de Senna a lenda que é. Foi seu incrível talento na pista, sua dedicação extrema em busca dos resultados, sua paixão por correr e vencer. Citando o jornalista inglês Jeremy Clarkson, do programa Top Gear, “Senna foi espetacular todas as vezes que entrava em um carro”.

Senna marcou por conquistas épicas, em corridas espetaculares, contra competidores duros e talentosos. Até hoje me emociono ao assistir (pela enésima vez) as imagens do Grande Prêmio do Brasil, em 1991. Foi a primeira vitória de Senna em casa. Ao longo da corrida, a caixa de câmbio foi quebrando. Ele perdeu as marchas uma a uma, até que no final, ele só tinha a sexta marcha. O stress físico e mental desta prova levou Senna ao colapso. Ele nem conseguiu levar o carro aos boxes, e no pódio, mal tinha forças para erguer o troféu. A alegria no autódromo foi a maior que Interlagos já viu.

Ayrton, exausto, comemora sua primeira vitória correndo no Brasil, em 1991.

Sua dedicação fora das pistas também era heroica. Era o primeiro a chegar para os testes e um perfeccionista nas instruções aos mecânicos. Sabia que seu trabalho de piloto não se resumia ao cockpit, mas continuava nos boxes, no trabalho com a equipe e no relacionamento com os patrocinadores.

Apesar de ser uma pessoa discreta, Senna enfrentou obstáculos e polêmicas dentro das pistas e fora delas. O maior exemplo disso foi a batalha política com Alain Prost e com o presidente da Federação Internacional de Automobilismo, o também francês Jean-Marie Balestre. Essa história merece um livro. Acho melhor nem tentar escrever sobre um dos mais incríveis capítulos da história do automobilismo em uns poucos parágrafos…

Arrojado, implacável, perfeccionista, determinado, ousado, talentoso. Senna foi um grande piloto, na minha opinião, o maior de todos os tempos. Foi também um grande ser humano, tendo deixado seu legado por meio do Instituto Ayrton Senna e de seu exemplo de garra e determinação para uma geração de Brasileiros.

Sua morte, após o acidente no Grande Prêmio de San Marino, foi o triste capítulo final de uma vida de suor e lágrimas atrás de um sonho. O de ser o mais rápido.

Recomendo para todos, mesmo os que não são fãs de automobilismo, ou de fórmula 1, mesmo para quem não conhece a história de Senna o documentário “Senna”, do diretor Asif Kapadia, lançado em 2010, em comemoração ao seu 50ª aniversário. Veja o Trailer!

 Fecho este texto com memórias da minha infância: minha casa enfeitada com balões verdes e amarelos para torcer nas corridas finais do campeonato. A festa de aniversário com tema da Fórmula 1. Naquela época, meu brinquedo mais legal era uma tampa de panela que servia de volante enquanto eu voava pelo autódromo imaginário da minha casa, perseguindo loucamente meu irmão. Para mim, eu era o Senna. Para meu irmão, ele era o Senna. E não importava qual dos dois ganhasse, sempre haveria alguém gritando “Ayrton, Ayrton, Ayrton Senna do Brasil!” na linha de chegada! Todos queríamos ser Senna. Quem conhece sua história, até hoje quer…

  • http://profile.yahoo.com/YHPHLPMWTVA27PQPP22HTMRCII Rafael

    Para quem é fã do Senna, este texto é um presente Henrique.
    Vou assistir o filme pela 5 vez este final de semana, depois desta!

  • Hevita

    Muito legal,parabens!

  • http://www.dpaschoal.com.br/ Henrique Cavalhieri

    Rafael, o filme é realmente uma obra prima! Também já assisti umas 5 vezes, e a cada uma a gente vibra de novo, percebe algo diferente ou com um olhar diferente! Também recomendo a homenagem do programa Top Gear, da BBC, com a participação especial do Lewis Hamilton, grande fã de Senna (em inglês). http://www.youtube.com/watch?v=4oLSYSJO5Ik Aproveite!

  • http://www.dpaschoal.com.br/ Henrique Cavalhieri

    Obrigado! Espero que tenha trazido boas memórias do nosso querido Senna!

  • Anônimo

    Obrigado! Espero que tenha trazido boas memórias do nosso querido Senna!

  • Anônimo

    Rafael, o filme é realmente uma obra prima! Também já assisti umas 5 vezes, e a cada uma a gente vibra de novo, percebe algo diferente ou com um olhar diferente! Também recomendo a homenagem do programa Top Gear, da BBC, com a participação especial do Lewis Hamilton, grande fã de Senna (em inglês). http://www.youtube.com/watch?v=4oLSYSJO5Ik Aproveite!