escravo_do_trânsito Editorial

Um dia sem carro – Parte I

Quando o pessoal do CaminhoD me lançou o desafio de ficar um dia sem carro, eu fiquei animada e topei na hora.

Mas de manhã, debaixo das cobertas, a preguiça quase toma conta de mim. Mas a causa do Dia Mundial Sem Carro e a oportunidade de sair da rotina falaram mais alto.

"2h43 POR DIA NO TRÂNSITO DE SÃO PAULO"

Saí de casa me sentindo uma heroína por abrir mão do meu carro, do ar-condicionado e do meu espaço. Desde que comprei meu primeiro carro este ano, posso contar nos dedos às vezes que  usei o transporte público.

Bem que eu gostaria de trabalhar perto de casa para aproveitar este dia e ir a pé ou de bicicleta ao trabalho. Entretanto, morando na Zona Norte e trabalhando em Alphaville, são poucas as minhas opções. A não ser que eu faça uma maratona pela Marginal e pela Castelo Branco com um comboio de motos policiais me cercando. Então fui de metrô e ônibus.

 

06:50 - Saí de casa mais cedo. Dei meu primeiro pique matinal para alcançar o ônibus que já passava pelo ponto. Talvez a única atividade física que fiz no mês.

06:52 - Entro no ônibus e me assusto com o preço: R$ 3,00? E saber que em Buenos Aires a passagem custa o equivalente a alguns centavos.

07:10 - Começo a brincar de adivinhar quem está com cara que vai descer logo. Descarto os dorminhocos e aposto minhas fichas numa loira que olha para a janela. Mentalizo que o ponto dela seja o próximo. A loira cochila e eu fico de pé mesmo.

07:32 - O ônibus para em um ponto e 90% dos passageiros descem. Opa, deve ser meu ponto também. Em cheio, era o ponto do metrô Santana. Na dúvida , siga as pessoas. #ficadica

07:38 - Pago R$ 2,90 na passagem do metrô. Na escada rolante, percebo que o trem chega à plataforma. Segundo pique matinal.

07:50 - O metrô demora mais de 10 minutos para andar três estações. Desço na estação Armênia.

07:54 - Pergunto às pessoas onde fica o ônibus intermunicipal para Alphaville.

07:56 - Quando encontro o ponto, o ônibus já está chegando. Terceiro pique matinal, estou pronta para uma maratona! Corra Paula, Corra.

08:02 - O ônibus intermunicipal custa R$6,50, mas vale cada centavo. É quase um fretado: confortável, ar-condicionado e vazio. Todo mundo senta e dorme. Eu, adivinhem, dormi também.

08:10 - Abro os olhos. Está trânsito na Marginal, o trânsito que eu enfrento todo dia de mau humor. Agora eu olho como se estivesse de fora e durmo de novo.

08:37 - O ônibus entra em Tamboré e decido me maquiar. Durmo mais 10 minutos.

09:05 - Chego no trabalho com o sono recuperado e maquiada!

  • Dalila Moreno

    Demais…enfrentar o dia-a-dia não é fácil. Mas com bom humor, é bem. Parabéns pela experiência inesquecível.

  • Rafael Labate

    Paulinha, você está demais!

  • Fernanda J.

    Deu vontade de ler a parte 2!

  • Anônimo

    Oi Fernanda,A parte 2 está aqui: http://caminhod.com.br/2011/09/dia-sem-carro-parte-2/
    Espero que goste! 
    Beijos,Paula

  • Anônimo

    Oi Rafa,Muito obrigada!
    Não esqueça de passar aqui sempre. 
    Bjos, Paulinha

  • Anônimo

    Oi Dalila,
    Tem razão, tudo com bom humor fica mais fácil. 
    Só precisamos nos esforçar a olhar o mundo sempre desta maneira.
    Passe por aqui sempre! 
    Beijão,Paula